Páginas

quinta-feira, 2 de julho de 2015

MINISTRO NÃO JULGA ORTIZ JR, MAS
QUER PEGAR DILMA E O PT NA CURVA

O ministro João Otávio de Noronha tem em suas mãos o processo 58.738, agravado pelo prefeito cassado Ortiz Junior, desde 10 de fevereiro deste ano, mas não o leva a julgamento pelo plenário do TSE.

João Otávio de Noronha, nomeado ministro por FHC, recebeu o agravo de Ortiz Junior no dia 10 de fevereiro deste ano. Em apenas dois dias, ou seja, dia 12 de fevereiro, em despacho, concedeu liminar ao tucano, mantendo-o no cargo.

Ministro João Otávio de Noronha, que demora para julga tucano, os delatores sem provas Alberto Youssef e Paulo Roberto Costa e a presidenta Dilma Rousseff. Fotomontagem: Brasil 247

Impressiona a celeridade com que o ministro analisou as mais de mil páginas da AIJE 58.738 para fundamentar seu despacho de cinco laudas e deferir a liminar “tão somente para suspender a realização de novas eleições até o julgamento do mérito do recurso por esta Corte”.

Acontece que daquela data a esta, o processo está com o MPE, que até o momento não o devolveu para o ministro João Otávio Noronha.

Enquanto o processo contra Ortiz Junior está parado, sem data para julgamento, o ministro João Otávio Noronha quer pegar Dilma e o PT na curva.

De que forma?

Acreditando um delator sem provas, que teria afirmado, segundo os vazamentos seletivos dos justiceiros de Curitiba, que as doações feitas pela UTC de Ricardo Pessoa ao PT nas eleições de 2010 e 2014 foram frutos de chantagem.

Veja o que saiu no blog do Nassif (Leia a íntegra aqui)

(...) O corregedor-geral eleitoral, ministro João Otávio de Noronha, autorizou a oitiva de Ricardo Pessoa no dia 23 de junho. Já o depoimento com o réu da Lava Jato está marcado para o dia 14 de julho, no Tribunal Regional Eleitoral paulista (TRE-SP). Ele deverá esclarecer se os recursos que foram doados pelo grupo UTC ao PT foram fruto do esquema de corrupção da Petrobras. A campanha de Aloizio Mercadante ao governo do Estado em 2010 e de Lula também foram implicados na investigação.

Noronha é relator da investigação na Corte Eleitoral. A ação movida pelo PSDB em dezembro de 2014 pede que a campanha de Dilma seja investigação por suposta prática de "abuso do poder econômico e político" e "obtenção de recursos de forma ilícita".
Se restar comprovado crime eleitoral na reeleição da presidente, o diploma poderá ser cassado.

O TSE também autorizou os depoimentos do doleiro Alberto Youssef e do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa na ação do PSDB contra Dilma. Ambos também são réus delatores na Lava Jato.

Este é o ministro João Otávio de Noronha, que doidinho para cassar a Dilma e estraçalhar o PT.

Quanto à cassação de Ortiz Junior, não há pressa!

A AIJE 58.738 está esquecida em algum escaninho do TSE.

Está cada vez mais difícil acreditar nas instâncias superiores da Justiça.