Páginas

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

ODEBRECHT CONDENADA POR TRABALHO
ESCRAVO DE BRASILEIROS EM ANGOLA

José Carlos Cataldi, jornalista e advogado

O grupo Odebrecht está mal na fita. Depois das declarações do presidente da empresa, comparando seus delatores a “dedoduros”, o noticiário dá conta da condenação da maior empreiteira brasileira por danos morais coletivos por tráfico internacional de pessoas e trabalho escravo na construção de uma usina de cana-de-açúcar em Angola.

A indenização fixada em 50 milhões de reais pelo Tribunal Regional do Trabalho de Campinas, São Paulo; é a maior do gênero na história da Justiça brasileira.

A decisão determina que o grupo deixe de “realizar, promover, estimular ou contribuir à submissão de trabalhadores à condição análoga a de escravo” e sem o visto de trabalho já concedido pelo governo local, sob pena de multa diária superior a 200 mil reais.

Constam no processo movido pelo Ministério Público do Trabalho depoimentos de trabalhadores que explicitam as condições degradantes às quais eles foram expostos. Os operários dizem que nas refeições era servida de jibóia num refeitório repleto de baratas e ratos.

Inacreditável que isso ainda exista. Pior que praticado por uma empresa brasileira. Provável que beneficiária de financiamentos do BNDES. Tá explicado porque Marcelo Odebrecht não gosta de “dedoduros”.

Falei e disse!