Páginas

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

A PRIMEIRA-DAMA DOS METALÚRGICOS

Lu Peixoto fez escola. Neda Márcia Dias transformou-se na primeira-dama dos metalúrgicos de Taubaté com uma jogada política maquiavélica, oportunista e prejudicial aos trabalhadores.

A "primeira-dama" dos metalúrgicos e o presidente do Sindicato
A matéria divulgada pela Gazeta de Taubaté no domingo retrasado (10), dando conta de seu pedido de indenização de R$ 721 mil por danos morais só pode ter sido engendrada por uma mente maquiavélica. Os neurônios da primeira-dama dos metalúrgicos funcionam freneticamente, em benefício próprio.

Estupefato, o secretário-geral do Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté, Juarez Estevam Ribeiro deixa registrado na edição desta quarta-feira (14) do jornal:

Na época em que a Neda foi demitida, era de conhecimento de todos que o próprio Hernani havia pedido o desligamento dela. Fica ainda mais estranho porque o processo foi proposto um mês antes de prescrever. E eu, como secretário-geral, nunca soube da ação, até agora”, disse Ribeiro.

Há claros sinais de malandragem na ação trabalhista movida Neda Márcia Dias. A alegada “depressão” sofrida com sua demissão do sindicato, em 2012, e o também alegado tratamento a que teria se submetido não condiz com sua ação política desde sua demissão.

A primeira-dama dos metalúrgicos foi assessora da vereadora Graça (PSB), onde recebia mais de R$ 4 mil como chefe de gabinete; formou um grupo de barulhentos torcedores para apoiar a vereadora Vera Saba na eleição para a presidência do diretório municipal do PT; depois foi para a assessoria do prefeito Ortiz Junior, com um salário um pouco menor: R$ 3.288,78.

Não há notícia de que Neda Márcia Dias tenha deixados seus afazeres políticos para tratar de uma possível depressão. Suas atividades a desmentem.

A primeira dama dos metalúrgicos deve ter sido uma grande admiradora de uma ex-primeira-dama desta urbe quase quatrocentona, com quem aprendeu a dominar o comandante, amestrando-o para tirar proveito próprio.

Por que uma ação trabalhista da mulher do presidente do Sindicato corre em segredo de justiça? o que há a esconder?

Por que uma sindicância claramente persecutória contra o secretário-geral do Sindicato da categoria? Por que teria faltado a "reuniões" da diretoria sindical? Quem sabe, por força das circunstâncias Juarez não queria corroborar o aue agora vem à tona?

O secretário da Amatau (Amigos Associados de Taubaté), Ricardo paulo Moreira, resumiu o que se passa nos bastidores do Sindicato dos Metalúrgicos desde a eleição de 2013, que decretou a derrota de Isaac do Carmo em sua campanha pela reeleição:

1) O primeiro turno da eleição sindical terminou com 6.963 votos para Isaac do Carmo, 4.083 para Hernani Lobato e 183 votos para a chapa 3 que, segundo Ricardo Paulo Moreira, disputou a eleição somente na VW e denunciou, em boletim, tudo o que está acontecendo agora, dois anos depois.

2) O primeiro turno teve 13.805 eleitores e o segundo 15.078, ou seja, 1.273 eleitores a mais que no primeiro turno. Por quê? Pergunta Ricardo Paulo Moreira.

3) A conclusão é bombástica:

Porque, para os pilantras tem 2 tipos de trabalhadores: os que tem representatividade e os que tem que ficar quietos, que são os trabalhadores das pequenas empresas que tiveram seu direito institucional de votar e serem votados cerceados pela regras estatutárias que só dão direito aos trabalhadores das grandes empresas, vamos ao resultado:

CHAPA UNICA - 7.424 votos validos - cujo presidente ficou sendo o rato e sua amada que esta limpando o cofre da entidade, mas ninguém limpa o cofre sozinho, tem que ter sócios e neste caso, temos o tesoureiro.

Como se pode ter CHAPA UNICA num processo eleitoral cuja união de chapas é proibida conforme regras do estatuto?

Este foi o grande erro do Isaac. Como presidente do pleito não deveria ter aceitado, pois, mesmo estando fora da direção, a CHAPA 1 sairia vencedora, mas por acertos políticos e ingerência da CUT nacional , fizeram esta maromba.

Esta ai o resultado: roubalheira de A a Z, e o pior: agora o casal culpa o Isaac.
culpado realmente por ter concordado com estes pilantras, por que se tivesse agido dentro do estatuto, o presidente atual estaria brincando de pintor numa linha de produção e dona maroca pendurada em alguma teta publica de aspone.

Só para esclarecer: não defendo o Isaac. Ele é culpado sim por esta ratatuia. Ele é responsável 100% por ter dado o sindicato ao HernanI et caterva, pois , se agisse dentro da legalidade, a CHAPA 1 ganharia tranquilamente a eleição e os trabalhadores não estariam passando por este sofrimento.

(...)

Até que enfim alguém que presta no sindicato se mexeu para conter a saga do casal em tungar o cofre da entidade, o sr. Juarez , trabalhador digno, correto, não servia para este grupo, tanto é que tem boletim de ocorrencia no 2° DP sobre as ameaças sofridas, e não só ele, outros dirigentes sindicais da ala de gente que presta e funcionários conhecidos de toda comunidade metalúrgica , foram obrigados a fazerem boletins de ocorrência para garantirem seus direitos perante esta ratatuia, e a tropa de vigaristas abriu processo administrativo de forma a dar uma cala a boca no Juarez, enfim , estamos lidando com bandidos, o que já aprontaram:

a) Contratação de um advogado que deu prejuízo de R$ 350 mil ao sindicato perdendo prazo de recursos na justiça trabalhista;

b) Pagamento de R$ 50 mil a um ex-diretor que não tinha direito nenhum a indenização por parte do sindicato, cuja advogada é esposa do advogado acima;

c) Compra mais que nebulosa de um terreno em Ubatuba por R$ 1,7 milhão recheado de irregularidades e quando foi posto para aprovação da compra o projeto executivo da obra já estava pronto, e para complicar o terreno tem solo pedregoso que não é possível explodir a rocha e nem construir nenhum prédio em cima, enfim , se fossemos enumerar todas as lambanças desta trupe , iríamos usar boa parte dos servidores do facebook para relatar, se entrarmos no capitulo trapalhadas trabalhistas que fizeram os trabalhadores perderem direitos acordados dai a coisa desanda de vez.

d)Por falar em Ubatuba, o casal que tem que atravessar a rua para escorregar em casca de banana, temos mais uma lambança patrocinada pela dupla que o trabalhador vai acabar pagando.

Sobre a dupla, só resta a expulsão incondicional do sindicato junto de seus parentes e amiguinhos que tem como esporte predileto mamar nas tetas sindicais.

LEIA MAIS:

Aqui, a primeira matéria da Gazeta de Taubaté (http://gazetadetaubate.com.br/sindicato-esposa-de-presidente-cobra-r-721-mil-de-indenizacao/)

Aqui a segunda matéria da Gazeta de Taubaté (http://gazetadetaubate.com.br/sindicato-grupo-pede-intervencao-em-processo-de-indenizacao/)