Páginas

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

DALTON MOREIRA SÓ É
LOUCO POR QUE QUER

“Louco também tem juízo” é um ditado popular bastante conhecido. Até o jornalista Dalton Moreira, que age como louco, mas tem juízo, principalmente quando ouve o tilintar de moedas ou o farfalhar de papel-moeda, sabe disso.

O jornalismo praticado por Dalton Moreira, desde que a Folha de S. Paulo o tirou de Paris, onde, ao invés de saborear os finíssimos vinhos franceses, preferia o cheiro e o sabor de produtos colombianos, só piora a cada dia.

Ontem respondi, genericamente, a Benedito Dalton Moreira, o texto por ele publicado em seu blog para defender o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté, Hernani Lobato, e a primeira-dama dos metalúrgicos, Neda Márcia Dias, que pretendem “tungar“ R$ 701 mil da categoria com uma ação trabalhista.

Quem quiser conhecer melhor o Garibaldo, acesse este link.

Depois de defender o indefensável Peixoto por algumas moedas que lhe garantiriam uma cevejinha no fim do dia em algum bar da rua XV, ou faturar alguns caraminguás com vereadores na Câmara Municipal para falar bem dos mesmos, agora “defende” o sindicalista e sua mulher.

Só resta saber quantas moedas Dalton Moreira receberá para fazer o que mais sabe: injuriar, caluniar e difamar. Deve ter tomado pelo menos três cervejas "por conta" no final de domingo. Afinal, seus textos não valem mais que três “cervas”.

Você pode medir o caráter de alguém pelo jornalista que esse alguém contrata para se defender  de denúncias verdadeiras e o caráter do próprio jornalista que aceita fazer o “serviço”. Falta vergonha na cara dos dois lados.

Dito isto, passo a responder ao jornalista:
  
IRANI LIMA – Só posso bater palmas para o jornalismo engajado de esquerda, de direita e de encomenda.

Indique ou mostre um único texto que redigi sob ”encomenda”. Ideologicamente defendo as posições de esquerda em qualquer lugar do mundo. É da minha natureza contestar a direita, os coxinhas, os que querem ludibriar o povo ou os trabalhadores

Lima é aposentado.

Se você estiver falando do jornalista Alaor Fernandes Lima, informo-lhe que ele faleceu há muitos anos, no final do século XX. Meu nome é Irani Gomes de Lima. Assino meus textos como Irani Lima.

É criar (sic) do jornalista Boeri (sic) Neto (ex-diretor de redação do então jornal ValeParaibano).

Muito me orgulha ser cria de Bouéri Neto no jornalismo político da região. Meus padrinhos no jornalismo são, pela ordem, Barbosa Filho, Yára de Carvalho, Stipp Júnior e José Luiz da Silva. Devo um pedaço de minha carreira a cada um deles.

É afilhado político do ex-deputado Ary Kara José e dos ex-prefeitos João Bosco Nogueira e João Ribeiro.

Qual o problema de manter relações de amizade com o ex-deputado Ary Kara? Nunca trabalhei com ele nem lhe pedi emprego alguma vez na vida. Que problema tem ter trabalhado com os ex-prefeitos de Pindamonhangaba João Bosco Nogueira, de quem me orgulho de ser amigo até hoje, ou João Ribeiro, com quem só mantive relação profissional?

Trabalhou na prefeitura de Pindamonhangaba como diretor da Redação do jornal oficial Tribuna do Norte onde recebia um vultuoso (sic) salário.

Ao que me lembre, nos quatro anos que trabalhei na Tribuna, meu salário não vinha avermelhado nem inchado. Também não era volumoso nem muito grande. Distinga, primeiro vultuoso de vultoso para aprender a diferença entre elas.

É cabo eleitoral da vereadora Polyana (sic) Gama até hoje. Nunca negou isso. O filho de Hortelino, Rafael Lima, foi assessor de Imprensa da vereadora.

Não fui cabo eleitoral da vereadora Pollyana Gama, mas pedi votos para ela na última campanha municipal. Inclusive falei disso a você por telefone. Sua resposta foi que se engajaria na campanha da vereadora para a Prefeitura, o que acabou não acontecendo porque Pollyana não foi candidata a prefeita. Por acaso existe lei que proíba filho de jornalista de trabalhar para político?

Também é amigo pessoal do ex-prefeito Salvador.

Esta opinião está mais parecida com dor de corno. Posso ser amigo de quem quer minha amizade, inclusive o Salvador. Estou pensando que você não escreveu Khuriyeh porque não sabe como fazê-lo.

É blogueiro desinformado e manipulado. Em suma, um ser medíocre e simples. Fácil de ser manipulado.

Sua opinião não é compartilhada pelos dois mil acessos que tenho diariamente em meu blog. Os leitores devem adorar desinformação e manipulação. Você sabe que o “ser” medíocre, manipulável, mora na XV de Novembro e não no Parque Paduan.

Na realidade esses três Patetas trocam informações diariamente com o intuito de criar um “racha” no sindicato dos Metalúrgicos e desestabilizar a administração do presidente Hernani Lobato.

Quá quá quá quá...

Em suma, são destruidores e não construtores de opiniões construtivas (sic) para ajudarem a levantar a moral da classe trabalhadora pois a defesa dela é a entidade que a representa. E esses debilóides a querem jogada na lata do lixo da História. Como diria o poeta Elliot: “The Horror!” “The Horror”.

Construtores de opiniões construtivas é dose. Ou seria pleonasmo? Quem está jogando na lata do lixo da história a entidade Sindicato dos Metalúrgicos é seu próprio presidente e sua esposa, que pretendem tungar os trabalhadores, mas não conseguirão. Ao se associar a Dalton Moreira para se defender das verdades lançadas aqui e acolá, mostram o caráter maligno que possuem.

Aliás, é hoje (19) que o jornalista Dalton Moreira vai à tesouraria do Sindicato receber pelo (mau) serviço prestado?