Páginas

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

ORTIZ JR AGE COMO CHARLATÃO
E MISTIFICADOR COM SERVIDORES

O prefeito cassado em duas instâncias e próximo de ser degolado pelo TSE, age ao mesmo tempo como charlatão e mistificador em reunião com os cerca de 500 funcionários municipais que foram ontem (11/11) á reunião convocada por Ortiz Junior para falar da ação judicial que pede a demissão dos mesmos.

A charlatanice de Ortiz Junior está na exploração da boa-fé dos funcionários que atenderam à convocação, crendo que seria anunciada uma solução que lhes favorecesse. Não foi.

A mistificação do prefeito cassado reside em sua manifesta intenção de falsear a verdade, aproveitando-se da ingenuidade de pais de família desesperados com a possibilidade de serem despedidos por força de decisão judicial.

A intenção de Ortiz Junior foi aproveitar o momento de baixa popularidade que vive entre os funcionários municipais para fazer política.

Hoje, uma internauta militante perguntou a um amigo se o mesmo  "sabia que o TSE absolveu Ortiz Junior por 7 a 0".

Puro delírio! Para começo de conversa, quarta-feira não é dia de reunião no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Portanto, não há a menor hipótese de Ortiz Junior ter sido absolvido. O processo eleitoral 58738 ainda não enrou na pauta de julgamento.

Para quem aprendeu com o pai como falsear a verdade e confundir a opinião pública para seu próprio benefício, Ortiz Junior não está indo tão bem.

É a segunda tentativa de desviar a atenção da população para o seu próprio destino político, que é a perda definitiva do mandado de prefeito desta urbe quase quatrocentona, cargo que ocupa escorado por uma liminar.

Agora, Ortiz Junior volta suas baterias para dois ex-prefeitos: Salvador Khuriyeh e Roberto Peixoto.

O primeiro parágrafo da “nota de esclarecimento” divulgada pelo prefeito é um ataque covarde e mistificador. Diz ele:

Diante da ocorrência de citações judiciais de servidores públicos municipais decorrentes de ações propostas pelo Ministério Público em gestões anteriores (Prefeitos Salvador Kurieh (sic) e Roberto Peixoto), este Executivo vem esclarecer o que segue”:

A má-fé e de Ortiz Junior prosseguem no parágrafo seguinte, quando afirma que o Ministério Público, “nos anos de 1993 e 1996” (quando seu pai Bernardo Ortiz era prefeito pela segunda vez), “propôs ação direta de inconstitucionalidade” contratação de servidores municipais não concursados, que, em tese, deveriam ser reenquadrados como temporários.

Ora! Por que Bernardo Ortiz não tomou as providências que seriam necessárias para regularizar a situação? Por que o velho caudilho sempre foi contrário a funcionários concursados, para manter os temporários sob chicote, amedrontados, mais fáceis de manipular.

Mário Ortiz, que não foi citado pelo primo distante Ortiz Junior, manteve os funcionários contatados sem concurso, muitos deles pelo próprio Bernardo Ortiz, como a hoje secretária de Finanças e madrasta de Ortiz Junior, Odila Sanches. Ela também será, eventualmente, demitida?

A reunião com os servidores serviu para apenas para levantar a baixa popularidade do prefeito junto aos servidores, enquanto seus sabujos espalhavam que Ortiz Junior foi absolvido pelo TSE.

Quá quá quá quá!


NR – Nesta sexta-feira, o ex-prefeito Salvador Khuriyeh deve participar do programa Cidade em Ação, às 19 horas, na TV Cidade, para respoinder á charlatanice de Ortiz Junior.