Páginas

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

FELIZ ANIVERSÁRIO, JESUS!

Silvio Prado, professor

Os pobres e oprimidos estarão sempre ferrados no sistema capitalista em que vivemos. Não adiantam sonhos e promessas. Tudo acaba se esbarrando no paredão de concreto que a elite branca e rica construiu para se proteger de possíveis mudanças em seu modo de vida e interesses.

Mesmo assim, é preciso lutar e crer que as mudanças, de um jeito ou de outro, um dia virão. Não importa a largura ou a resistência do paredão de concreto. A história mostra que um dia aparecem brechas ou esse paredão se desmorona completamente. Não caíram os impérios romanos e inglês, o primeiro depois de mais de mil anos de dominação, o segundo, depois de mais de quatro séculos? Portanto, nada é impossível diante do que parece impossível.

Aqueles que compõem o 1% que impõem regras, ordens, explorações e guerras sobre os 99% se desesperam diante da possibilidade de mudanças históricas que conduzam a humanidade a um patamar material e espiritual digno do próprio homem. Desespera ter que dividir riquezas construídas coletivamente e usufruídas quase individualmente. Desespera saber que nem toda a humanidade é feita de bois mansos e cabisbaixos que diariamente se conformam com o mesmo, com o fútil e o senso comum.

Desespera essa gente saber que a humanidade pode a qualquer momento gerar um Gandh, Luther King, Guevara, Patrice Lumumba, John Lennon, Jesus. Por isso, em nome de interesses criminosos que precisam ser preservados, eles precisam ser mortos. O poder não admite gente originalmente inteligente, humana e questionadora. É preciso comprá-los com suas trinta moedas, ou cravar balas no peito de cada um e até dependurá-los numa forca ou numa cruz, como fizeram com Jesus de Nazaré.

Pior ainda: pegar sua doutrina humanizadora e torná-la religião despersonalizadora e produtora de imensos rebanhos cabisbaixos, dirigidos muitas vezes por criminosos que se dizem herdeiros de suas palavras. As artimanhas são muitas.

Agora, nas vésperas do aniversário de Jesus de Nazaré, o próprio Jesus desaparece e é forçado a dar lugar para um sujeito espalhafatoso chamado Papai Noel, que sai oferecendo presentes em todo shopping e esquinas da vida e ajudando a contabilizar lucros formidáveis para as empresas dos que fazem parte do 1% da humanidade.

Reza a lenda que Jesus, persistente, não dá bola para esse fato e sempre encontra um coração “manso e humilde” onde possa outra vez renascer e comemorar dignamente seu aniversário. Ao mesmo tempo, um pensador ilustre chegou a dizer que entre os sete bilhões de seres humanos, se for feito um esforço gigantesco, devem ser encontrados no máximo dez pessoas que possam, conforme os critérios de Jesus, de serem chamadas cristãs de fato. O restante, segundo ele, fazem apenas pose, jogo de aparências,teatro dominical,berreiro gospel em templos carísssimos e que ajudam o deus dinheiro a girar com maior velocidade as roletas do mundo dos grandes negócios.

De fato, trata-se de uma visão extremamente pessimista sobre cristãos e cristianismo. Mas pensando bem, dez pessoas realmente sinceras e amigas geram um ótimo ambiente de felicidade para acolher qualquer aniversariante. Pelas evidencias de seus gestos e palavras, tudo indica que Jesus nunca se importou com quantidade. Portanto, feliz aniversário, Jesus!