Páginas

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

INVESTIGAÇÃO DO FBI SOBRE FIFA
PODE CHEGAR A TAUBATÉ

Como diria um jornalista local, “Taubaté não perde ponto pra ninguém”. O mundo esportivo foi surpreendido em maio deste ano quando José Maria Marin, presidente da CBF, foi preso na Suíça, junto com outros dirigentes do futebol mundial que se preparavam para um congresso na Fifa.

Reinaldo e Del Nero, na sede da FPF
A prisão foi pedida pelo FBI (a polícia federal americana), com base em investigações sobre pagamento de propina para dirigentes esportivos das principais entidades futebolística do mundo envolvendo, principalmente,  transmissões de futebol.

Marin foi extraditado para os EUA. J. Hávilla, empresário brasileiro de marketing esportivo (Traffic), ostenta um belo par de tornozeleiras em Miami, onde tem residência.

Marco Polo Del Nero era presidente da Federação Paulista de Futebol, cargo que deixou para o taubateano Reinaldo Carneiro Bastos ao assumir a presidência da CBF.

Del Nero, que não acompanhou a seleção brasileira na disputa da Copa América, no Chile, nem à Argentina para um jogo das eliminatórias da Copa de 2018, não tem coragem de atravessar a fronteira com o Paraguai, para não ser capturado pela Interpol e conduzido aos EUA.

De acordo com o portal da Folha, a Fifa está processando Del Nero.

E que isso tem a ver com Reinaldo Carneiro Bastos?

O dirigente, que presidiu o Taubaté no início dos anos 1980, foi nomeado por Eduardo José Farah diretor e depois vice-presidente da FPF, cargo que ocupou até assumir a presidência da entidade, com a saída de Del Nero para presidir a CBF.

Se a investigação do FBI é vertical, ou seja, começou na superfície do lago lodoso da Fifa e está chegando a dirigentes de segundo escalão do futebol mundial, logo logo chega nas confederações nacionais de futebol.

Quanto mais a investigação se aprofunda, mais riscos correm os dirigentes menores, isto é, os dirigentes das federações estaduais de futebol. O futebol mundial é regido por uma cadeia (desculpem o trocadilho) coordenada de ações coordenadas pela Fifa.

É aí que mora o perigo para Reinaldo Carneiros Bastos, cujo nome raramente se vê nos jornais. Talvez por ser discreto, o dirigente taubateano está, por enquanto, livre das investigações.

Alguém já imaginou quantos ingressos para a Copa de 2014 políticos e amigos do dirigentes taubateano ganharam? Porém, em se tratando de FBI, a investigação pode chegar a Taubaté sim senhor.