Páginas

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

ORTIZ JR JÁ TEM OS VOTOS QUE
PODERIA TER. AGORA É DEGOLA

Nos próximos você verá como votou o ministro Henrique Neves, pela nulidade da AIJE 58738 e pela aceitação da ação cautelar 2230, que mantém Ortiz Junior no Palácio do Bom Conselho.

Verá também a veemência do ministro Herman Benjamin, em defesa de seu voto, pedir a seus pares de TSE uma resposta para Taubaté, qual seja, a cassação de Ortiz Junior.

O ministro Dias Toffloli, presidente do TSE, pediu vista do processo e o entregará na sessão extraordinária de amanhã.

Toffoli só vota em caso de empate. Por enquanto, Ortiz Junior tem os votos de Henrique Neves e Gilmar Mendes. O relator Herman Benjamin votou contra Ortiz Junior e apresentará um voto regimental nesta sessão.

Deve ser acompanhado pelos demais ministros (Lóssio, Fux e Maria Thereza). O placar final pode chegar a 4 a 2 pela cassação de Ortiz Junior.

Veja no vídeo abaixo a fragilidade da argumentação do ministro Henrique Neves, que se apega apenas no fato de Marcelo Pimentel, principal marqueteiro da campanha de Ortiz Junior, ter recebido um cheque de R$ 34 mil, em agosto de 2011.

O ministro não vê relação de causalidade entre este fato e tudo o que aconteceu posteriormente, alegando que o tucano foi eleito com quase 100 mil votos, 40 mil votos à frente de Isaac do Carmo. A diferença não chegou a tanto, mas o poderio econômico da campanha de Ortiz Junior ficou evidente.

Assista os vídeos e se lembrem da campanha de 2012:

1) Ministro Henrique Neves



2) Ministro Hwerman Benjamin