Páginas

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

SEM GOLPE, E COM A FORÇA DOS
ESTUDANTES, CHEGA O FIM DO ANO

Ignácio Delgado, professor-doutor da UFJF

Caros (as) amigos (as)

2015 está acabando e o golpe não aconteceu. Talvez ainda venha, mas passou agosto, outubro e dezembro e não aconteceu...Até o momento não mudou o marco regulatório do Pré-Sal, não foi aprovada em definitivo a terceirização das atividades fins, nem eliminada a política de valorização do salário mínimo.

O STF barrou o financiamento empresarial de campanha e o congresso aprovou o direito de resposta.

É pequena a lista, se contrastada ao tombo na economia provocado pela Lava a Jato e a crise política, uma criação de quem não respeita resultados eleitorais.

É pequena, diante da tragédia que a Vale e a Samarco provocaram em Mariana

É pequena diante da intolerância e disposições fascistas que assistimos ao longo do ano. 

É pequena, também, diante dos desacertos na condução do ajuste fiscal. É muito pequena, mas o clima de unidade e confraternização na esquerda neste mês de dezembro, e o "renascer da sociedade civil" na resistência ao golpe, permitem vislumbrar a possibilidade de um novo começo.

Que seja bonita a festa, pá. Viva Chico Buarque de Holanda.

A todos e todas, alegres festejos natalinos e de Ano Bom (como falávamos antigamente).

Que venha 2016.

Ignácio

PS - Na lista das coisas boas de 2015 destaque total para a luta dos estudantes de São Paulo e o movimento feminista brasileiro, atuante como nunca antes na história deste país.

Ademais, evidentemente, em 2015, para além das questões políticas, ocorreu a transcendental conquista do TUPI, o Carijó da Mata Mineira, agora na Série B. Definitivamente, 2015 não foi só espinhos.