Páginas

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

TAUBATÉ MERECE RESPOSTA POSITIVA
DO TSE E CASSAR O TUCANO ORTIZ JR

Ministro Herman Benjamin desmascara farsa dos
colegas Henrique Neves e Gilmar Menes
MINISTRO-RELATOR 

HERMAN BENJAMIN 


MANTEVE

SEU VOTO PELA

 CASSAÇÃO DA LIMINAR 


E AFIRMOU

QUE TAUBATÉ MERECE

 UMA RESPOSTA 
POSITIVA DO TSE.


A SESSÃO DE AMANHÃ (SEXTA-FEIRA) COMEÇA 

AO MEIO-DIA. HERMAN BENJAMIN APRESENTARÁ 

 UM VOTO REGIMENTAL.


ORTIZ JUNIOR PODE COMEÇAR A ESVAZIAR AS 

GAVETAS DE SEU GABINETE NO PALÁCIO DO BOM 

CONSELHO

Como era de se esperar, o voto do ministro Henrique Neves, pelo acolhimento ao recurso eleitoral 2230, que mantém o Ortiz Jr no cargo de prefeito graças a uma liminar concedida em janeiro deste ano pelo ministro João Otávio de Noronha, que se aposentou recentemente, foi acompanhado pelo voto do ministro Gilmar Mendes.

O novo relator do recurso eleitoral 2230 e AIJE 587328, Herman Benjamin, após ouvir o voto-vista de Henrique Neves, deu um show. Para usar uma linguagem popular, Benjamin pegou Neves pela e rebateu a argumentação que, em sua opinião, desvirtuava o que foi apurado nos autos.

Herman Benjamin lembrou que Cláudio Falotico, apelidado Papai Noel, funcionário de carreira da FDE, atuava livremente na instituição, como se fosse funcionário da mesma.

O ministro-relator lembrou interrompeu o ministro Gilmar Mendes, que alegou ser seu fã de carteirinha, para “lamentar” a posição favorável a Ortiz Jr em seu voto. Herman Benjamin dispensou o salamaleque de Mendes. Um show!

O jornalista Marcelo Pimentel, principal marqueteiro da campanha de Ortiz Junior, foi citado pelo cheque de R$ 34 mil que recebeu e pela declaração dada em cartório, sem o devido contraditório, diante de um juiz e todos sabem o que significam essas declarações em cartório.

Herman Benjamin foi veemente contra os votos de Henrique Neves e Gilmar Mendes, favoráveis a Ortiz Junior. Por enquanto o tucano está vencendo por 2 a 1, mas a reviravolta no placar é aguardada com ansiedade pelas poplaçãso.

Na sequencia votam os ministros Luciana Lóssio, Luiz Fux e Maria Thereza de Assis Moura. Havendo empate, o último voto é do ministro Dias Toffoli, presidente do TSE.