Páginas

domingo, 24 de janeiro de 2016

LIÇÕES DE GUARATINGUETÁ

Participei a semana passada (21/01) de um encontro político em Guaratinguetá. Acompanhava, com o professor Silvio Prado, o jornalista Barbosa Filho, que fora palestrar sobre o discurso de ódio promovido pelos grandes meios de comunicação, que turvam o pensamento e o imaginário popular.

Voltei para casa exultante. O povo está mais unido do que sonham os editores dos grandes jornais, das revistas e das emissoras de rádio e televisão. O povo se faz de morto, mas não está morto. O povo se faz de morto apenas para ”pegar” o coveiro e trucidá-lo.

Havia cerca de 40 pessoas em uma das salas da sede própria do Sindicato dos Funcionários Públicos Municipais de Guaratinguetá, que tem uma bela piscina para seus associados.

Na hora me veio à lembrança seu similar taubateano, obrigado a alugar um prédio porque usava um bancado pela Prefeitura de Taubaté. Qual prefeito precisaria de mais atrelamento para manter o domínio sobre os servidores públicos?

Barbosa Filho, apropriadamente, falou sobre o discurso de ódio que está todos os dias na imprensa  e nas redes sociais. O professor Silvio Prado falou dos movimentos sociais e de seu crescimento no Brasil, das minorias, das cotas raciais nas faculdades e do futuro das lutas sociais.

Na minha fala, alertei, com base em uma conversa ouvida num ônibus que nos transportava para São Paulo, o que um policial “pregava” para o motorista, dizendo que “ela” (referência à presidenta Dilma) “era terrorista, matou PM dentro do quartel” e outras bobagens.

Os participante do encontro de Guaratinguetá mostraram que estão atentos ao movimento midiático, ao discurso de ódio que se faz principalmente contra o PT e estão prontos para lutar pela manutenção da democracia neste país.

Cara feia e discurso raivoso não mete medo em guaratinguetaense.

Abaixo, algumas fotos do encontro:

Mais de 40 guaratinguetaenses mostram que discurso de ódio e cara feia não os atingem. A esquerda não está morta

Professor José de Paula Santos, organizador do debate, e o debatedor, jornalista Barbosa Filho

Professor Silvio Prado, falando do crescimento das lutas populares e das minorias

Atenção às discussões sobre o discurso de ódio foi a tônica do encontro de Guaratinguetá