Páginas

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

SÃOPAULINO APOIA CORINTIANOS

A torcida da Gaviões da Fiel, do Corinthians, não é formada apenas por um bando de loucos, como gostam de ser chamados, ou por homens e mulheres alienados da vida política nacional a pensar apenas “naquilo”, ou seja, o futebol, imbecilizados por um espetáculo cada vez mais pobre, com cada vez menos craques e que, a continuar como será jogado de madrugada.

O exemplo de conscientização política dado pela torcida organizada Gaviões da Fiel

Este blogueiro, sãopaulino desde José Poy, Mauro, Dino Sani, Gino Orlando Zizinho e Cachoteiro, com apenas seis anos de idade, aplaude, aos 64 anos, a torcida do maior rival do Tricolor pela demonstração de consciência cívica e coragem de usar um jogo de futebol, com estádio lotado e transmissão ao vivo pela televisão para protestar.

Protestar contra a Rede Globo, que põe o futebol às 10 da noite, depois da novela, sacrificando os trabalhadores que queiram ver seus ídolos em campo obrigados que são a voltar para casa de madrugada, dormir algumas poucas horas e “pegar no batente” no dia seguinte.

Protestar contra o governador Geraldo Alckmin, “homenageado” pelos torcedores corintianos com a faixa “quem vai punir o ladrão da merenda?”, aludindo ao último escândalo tucano de São Paulo, que a mídia já varreu para debaixo do tapete.

A TV Globo não exibiu as imagens das faixas nem o juiz da partida, que pediu a intervenção do capitão corintiano para que a torcida levantasse o protesto político, dirigido também o deputado Fernando Capez, presidente da Assembleia Legislativa, tido como inimigo das torcidas organizadas.

O Corinthians tem tradição no campo político. Quem não se lembra da Democracia Corintiana, comandada por Sócrates, Casagrande, Vladimir?  Quem não se lembra de quando a Via Dutra foi tomada por mais de 50 mil torcedores corintianos que foram ao Maracanã, em uma semifinal de campeonato brasileiro, de carro, de ônibus, apenas para ver seu time jogar.

Chico Buarque, sempre ele, apaixonado pelo Fluminense, adversário do Timão naquele distante 1976, lamentou que a força demonstrada pela torcida corintiana não se transformasse em força de luta e paixão pela defesa da democracia. Ainda vivíamos sob a ditadura militar.

Quarenta anos depois, os torcedores corintianos respondem à cobrança de Chico e protestam politicamente contra o domínio da Rede Globo sobre o futebol brasileiro e a corrupção que assola desde sempre os governos tucanos de São Paulo.

Que as demais torcidas acordem e mostrem aos dirigentes de futebol que não querem apenas circo, como estão fazendo os corintianos. Por isto este sãopaulino os apoia integralmente.