Páginas

segunda-feira, 21 de março de 2016

OBAMA ATENDE COXINHAS
E VAI CONHECER CUBA


O coxinhas brasileiros, tão acostumados a mandar para Cuba aqueles que defendem os governos trabalhistas de Lula e Dilma e são contra o golpe das elites devem estar “p” com Barak Obama.

Não é que o presidente americano é o primeiro, em 88 anos, a visitar a ilha caribenha e abrir nova fronteira comercial para os Estados Unidos?

Será que os coxinhas entenderão, tardiamente, que o porto de Mariel, construído pela engenharia brasileira será estratégico para as nossas exportações.

De tanto mandar petistas e comunistas para Cuba, o presidente Barak Obama aceitou o desdafio e foi ele mesmo, com mulher e filhas, ver de perto o que Cuba tem.

Entenderam coxinhas? Ou precisa desenhar?

Abaixo, matéria em português do jornal cubano Granma:

O presidente dos Estados Unidos da América, Barack H. Obama, chegou a Cuba em uma visita oficial pelo Terminal 1 do aeroporto internacional José Martí.

No aeroporto internacional José Martí foi recebido pelo chanceler cubano Bruno Rodríguez Parrilla, o embaixador cubano nos Estados Unidos, José Ramón Cabañas e o encarregado de negócios da embaixada dos Estados Unidos, Jeffrey De Laurentis.

O presidente estadunidense chegou a Cuba acompanhado de sua esposa Michelle Obama e suas filhas Malia e Sasha, bem como membros do seu gabinete e senadores republicanos e democratas.

Desta forma, Barack Obama converte-se no primeiro presidente que visita a nação antilhana depois de 88 anos. Anteriormente só o fez Calvin Coolidge, que desembarcou em Havana em janeiro de 1928 para participar da 6ª Conferência Pan-americana.

A chegada de Obama a Cuba produz-se 15 meses depois do anúncio do processo de restabelecimento das relações entre ambos os países, em 17 de dezembro de 2014, pelo presidente cubano Raúl Castro e o mandatário estadunidense Barack Obama.

Algumas das visitas de alto nível que se têm produzido desde essa data até hoje são as do chanceler cubano Bruno Rodríguez Parrilla a Washington, em 20 de julho de 2015, e a do secretário do Estado John Kerry a Cuba, em 14 de agosto desse mesmo ano.

Outras figuras de alto perfil como a secretária do Comércio, Penny Pritzker e o secretário da Agricultura, Tom Vilsack, bem como governadores de importantes estados e empresários estadunidenses, visitaram nosso país entre 2015 e 2016.

O quadragésimo quarto presidente dos Estados Unidos cumprirá em Cuba uma agenda que compreende, no dia de hoje, um encontro com o pessoal da embaixada do seu país e um percurso pela Catedral de Havana — onde será recebido pelo cardeal Jaime Ortega Alamino, arcebispo da Arquidiocese de Havana — a Praça de Armas, o Museu da Cidade, a Praça Velha e a Praça de São Francisco de Assis.

Durante sua visita, o presidente visitará o Memorial José Martí, terá reuniões com empresários e trabalhadores independentes cubanos e terá conversações oficiais com o presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, general-de-exército Raúl Castro Ruz, no Palácio da Revolução.


Na última jornada, o presidente norte-americano proferirá um discurso no Grande teatro Alicia Alonso — outrora Grande Teatro de Havana— e se espera que participe no jogo de beisebol entre o Tampa Bay Rays da Major Leagues dos Estados Unidos e a seleção nacional de Cuba, no estádio Latinoamericano, em Havana.