Páginas

sexta-feira, 11 de março de 2016

PROMOTORES COXINHAS SÃO
O GORDO E O MAGRO MODERNOS

Laurel  Hardy são substituídos no Brasil, sem a mesma graça, pelos promotores Blat e Conserino no quesito idiotice







A fama longamente perseguida por José Carlos Blat e Cássio Conserino, ambos promotores do Ministério Público “Tucano” de São Paulo chegou, mas não da forma que os idiotas pensavam.

Combatido pela esquerda e pela direita, por cima e por baixo, a peça produzida pela dupla Laurel e Hardy (o Gordo e o Magro) do Ministério Público paulista é clara em seu objetivo: a dupla queria ela mesmo ter a honra de prender Lula.

Nem Laurel e Hardy produziriam um texto tão engraçado, se não fosse real o desejo de Blat e Conserino de inscreverem seus nomes na história como os promotores de (in)justiça que prenderam Lula. Quá quá quá quá!

No pedido de prisão preventiva de Lula consta esta barbaridade:

“Em caso de deferimento, que os mandados sejam entregues em mãos a um dos promotores de Justiça subscritores da denúncia, a fim de que sejam posteriormente cumpridos na forma a ser estabelecida pelo Ministério Público, inclusive com uso de força policial, caso necessária, com evidente respeito à legislação vigente, tudo a fim de obter a melhor forma de operacionalização das medidas, evitando violação dos direitos fundamentais dos denunciados”.

O pior de tudo é que estes trastes são pagos com o dinheiro de nossos impostos.

A pressão da Globo e de lideranças tucanas criticando o pedido de prisão formulado por Blat e Conserino certamente fará a juíza Maria Priscilla Ernandes Veiga Oliveira, da 4ª Vara Criminal de São Paulo, rejeitar a peça sem analisar as infundadas razões da dupla Laurel e Hardy do Ministério Público de São Paulo.

A razão é uma só: Laurel e Hardy, digo, Blat e Conserino, conseguiram inscrever seus nomes na história do Ministério Público tucano de São Paulo.

O sonho megalomaníaco de ambos merecerá de um historiador independente uma notinha de rodapé, como quer Ricardo Noblat, ressaltando a idiotice praticada por Blat e Conserino em março de 2016.