Páginas

quarta-feira, 20 de abril de 2016

POLLYANA APOIA GOLPISTAS


Pollyana Gama é a favor do golpe antidemocrático perpetrado por ladrões e conspiradores para derrubar Dilma
Taubaté corre o risco de eleger uma prefeita golpista. Quem afirma defender o golpe é a própria vereadora, a mais forte, por enquanto, candidata a prefeita de Taubaté na próxima eleição municipal.

Sem esconder um certo triunfalismo, a vereadora do PPS postou em sua página no Facebook o seguinte texto:

Aberta a sessão na Câmara dos deputados que votará pelo prosseguimento ou não do processo de impeachment da Presidente Dilma Rousseff no Senado. Que a indignação seja promotora de dias melhores, de uma política mais verdadeira na sua essência de ser instrumento para o bem comum e desenvolvimento do nosso país.

Linhas abaixo, ao responder a indagação de um internauta sobre sua posição em relação à votação que se desenrolava na Câmara Federal, Pollyana saiu pela tangente. não respondeu. Recebeu a prestimosa ajuda de Urbano Patto, um dos coordenadores do PPS no Estado de São Paulo, informando que o partido votaria unido pelo impeachment da presidenta Dilma.

Os taubateanos que acompanharam o brilhante trabalho desenvolvido pela vereadora na presidência da Comissão Processante, que tentou a cassação do ex-prefeito Roberto Peixoto, devem se sentir envergonhados com a atitude atual de Pollyana Gama.

A atuação da vereadora em 2011, que chegou a dar voz de prisão a Peixoto numa das sessões da CP, alavancou sua reeleição a vereadora quando, na verdade, deveria ter sido candidata a prefeita.

Não fosse a insistência de seu colega vereador Mário Ortiz em ser o candidato, numa tensa reunião que varou a madrugada de sexta-feira para sábado, na véspera da convenção partidária, Pollyana foi convencida a abandonar sua pretensão de se candidatar à Prefeitura de Taubaté em 2012..

Em troca ganhou destaque no programa eleitoral do PSD, no qual aparecia
todo dia na abertura dos programa eleitorais do candidato a prefeito Mário Ortiz, garantindo maior visibilidade e, em consequência, mais de cinco mil votos para se reeleger pela terceira vez vereadora.

Nunca ouvi nem li uma crítica de Pollyana à lentidão da justiça eleitoral em confirmar a cassação de Ortiz em Brasília, pois cassado está em segunda instância por abuso de poder político econômico e, portanto, inelegível.

Aliás, neste trágico domingo (17/04) para a democracia brasileira, Pollyana escreveu publicamente sobre a situação de Ortiz Junior, de forma evasiva, ao responder ao questionamento de um internauta sobre a cassação do atual prefeito de Taubaté:

Pollyana GamaA cassação do prefeito Ortiz Jr é devido a um processo eleitoral por isso cabe ao judiciário”, escreveu em sua página no Facebook.

Pollyana, na qualidade de professora, jamais emitiu opinião ou proferiu uma crítica a Ortiz Junior, réu na 14ª Vara da Fazenda Pública por improbidade administrativa, à qual responde em conjunto com o pai Bernardo Ortiz.

Trata-se de superfaturamento de mochilas escolares e recebimento de R$ 1,7 milhão em propina em 2011, utilizados na campanha eleitoral de 2012. Pollyana passou ao largo do espinhoso assunto, que atinge diretamente a FDE, que pertence á área da educação. Sua área, portanto.

Ainda na qualidade de educadora, Polyana jamais abriu a boca para pelo menos reclamar da remoção escolar forçada perpetrada pelo governador Geraldo Alckmin e repudiada por alunos desde o ano passado. Medida, aliás, apoiada por seu marido, o deputado estadual Davi Zaia.

Também não vi nem ouvi Pollyana falar, mesmo que de leve, do "merendão", investigado pela operação Alba Branca, que pega de jeito o governo Alckmin e de várias prefeituras do interior paulista, entre elas Taubaté.

Pollyana Gama, ao demonstrar apoio ao golpe, mancha sua reputação ilibada, até aqui, na condução de sua vida pública. Ela junta-se a Michel Temer (conspirador), Eduardo Cunha, (golpista), FHC e ao próprio chefe de seu partido, o outrora comunista Roberto Freire, citado como o beneficiário da doação de R$ 500 mil pela empreiteira Odebrecht.

Talvez, no caso da vereadora/educadora, a proximidade com o poder (governador Geraldo Alckmin) a tenha feito mudar de ideia sobre o que é democracia. Pollyana apoia os mais de 300 bandidos que, em nome de Deus e da família, golpeiam de morte nossa jovem democracia..

Tudo pelo poder!

Neste blog, em 23 de setembro do ano passado, publicamos matéria na qual desmentíamos os boatos que circulavam na cidade sobre uma possível “declaração bomba” de Fernando Gigli, que comprometeriam a honradez da vereadora, como pode ser confirmado neste link.

Lamentável a atitude da vereadora Pollyana Gama. O poder lhe subiu à cabeça.