Páginas

sábado, 14 de maio de 2016

O COLAPSO NA MERENDA DE TREMEMBÉ







Fábio Casagrande, professor

“Poucas Frutas e Verduras”, diz o Barão de Tremembé em visita às escolas.

Os auditores do TCE foram recebidos pelo então Barão de Tremembé.
O Ministério da Educação repassou à Prefeitura R$ 505.048,00 mil reais/ano para a alimentação de nossas crianças. Dados de 2013.

Deste valor, apenas 16,25% foi utilizado para compras de gêneros alimentícios da agricultura familiar, ou seja, pouco mais de R$ 82 mil.

A lei determina que no mínimo 30% devem ser utilizados na compra de frutas e verduras.
Os auditores em companhia do Barão visitam a Fazenda Conquista. Com ótima produção de tangerina e lichia, exportados para São Bernardo do Campo.

Em visita a unidades escolares, foram averiguadas amostras de produtos alimentícios com marcas e características divergentes do previsto em Ata de Registro de Preço. Relato do TCE.

120 Famílias (agricultura familiar) estão aptas a fornecerem frutas e verduras fresquinhas às nossas crianças.

No mínimo, a prefeitura deveria investir R$ 150.000,00 por ano com os produtores da agricultura familiar.

O pequeno produtor rural não é valorizado.

Assim, tais fatos denotam que a atual administração não prioriza a alimentação saudável de nossas crianças.

NOTA DA REDAÇÃO: A Prefeitura de Tremembé, em resumo, descumpre a lei que regula a transferência de verba do governo federal para a alimentação escolar. Isto é, tira da agricultura familiar para beneficiar empresas que nada tem a ver com a agricultura familiar.