Páginas

terça-feira, 17 de maio de 2016

ORTIZ PERSEGUE GUARDAS MUNICIPAIS



Silvio Prado, professor (texto e foto)

No final do mês de abril um guarda municipal de Taubaté foi agredido em seu local de trabalho. Ele fazia vigilância e uma fabrica desativada no Bairro Sete Voltas, zona rural do município.

Quatro homens invadiram o local e o agrediram. Com ferimentos no rosto, o guarda foi socorrido e levado ao Hospital Regional. O fato, bastante preocupante, motivou dentro da corporação um manifesto contra as péssimas condições de trabalho que centenas de guardas municipais suportam todo dia.

Mesmo tendo que zelar pela segurança do patrimônio público, os guardas municipais não contam com estrutura mínima para exercitar suas funções.

Segundo depoimento de um guarda que não quis se identificar (para evitar as costumeiras represálias do prefeito), a corporação não recebe a formação adequada, trabalha sem colete e dificilmente faz serviço de vigilância em dupla, como é recomendado.

Em alguns locais de trabalho eles não contam sequer com sanitários. Reagindo ao protesto que fizeram diante da prefeitura, exigindo respeito e condições ideais de trabalho, o prefeito Ortiz Jr pôs em prática seu costumeiro autoritarismo: suspendeu por 60 dias 6 guardas municipais e instaurou sindicância que, se não houver reação e resistência, resultará na demissão dos guardas envolvidos.

A Guarda Civil Municipal ainda não foi regulamentada e, amanhã, 18 de abril, quarta-feira, às 9h, haverá na Câmara Municipal uma audiência sobre a questão. Espera-se que as pessoas preocupadas com a questão da INSEGURANÇA em Taubaté compareçam!