Páginas

terça-feira, 21 de junho de 2016

CEI PODERÁ PEDIR CONDUÇÃO
COERCITIVA DE GUARÁ FILHO

Ortiz Junior e Guará Filho, uma tabelinha prejudicial aos servidores municipais

Não está descartado o possível pedido de condução coercitiva de Guará Filho para depor na CEI (Comissão Especial de inquérito) instalada pela Câmara Municipal para apurar possíveis irregularidades na contratação de planos de saúde pelo Sindicato dos Servidores Municipais.

A atitude desafiadora de Guará Filho, que se nega a depor, como se fosse inimputável, está com os dias contados, segundo mo vereador Douglas Carbonne, relator da CEI.

A comissão especial, orientada pela Procuradoria da Câmara Municipal, marcou para esta semana a intimação de Guará Filho por hora certa.

Por ser funcionário municipal, a intimação é feita via Prefeitura. Qualquer funcionário pode receber a intimação e recebê-la em nome de Guará Filho.

Se, mesmo assim, o presidente do Sindicato dos Servidores não atender a convocação, poderá ser pedida a sua condução coercitiva para depor na Câmara Municipal.

Particularmente, não creio que Guará Filho esteja agindo por conta própria ignorando a convocação da CEI para depor.

Os vereadores investigam a empresa Guará Intermediações de Negócios Ltda, divulgada neste blog no último dia 17, da qual Guará Filho detém 99% das ações. O 1% restante está em nome de sua esposa Gabriela Mathias de Araújo Cortez Pereira.

Um nova linha de investigação pode ser aberta, uma vez que o Ministério Público foi oficialmente comunicado da ação empresarial de Guará Filho, que tem todos os ingredientes para revelar uma lavanderia gigante nesta urbe quase quatrocentona.

Ao ignorar a convocação da CEI, Guará Filho dá clara demonstração de que está sendo orientado por alguém de cima, o que inclui advogados experientes. Guará Filho não tem estatura intelectual para agir como vem agindo.