Páginas

quarta-feira, 13 de julho de 2016

A JUSTIÇA PODE TE PEGAR EM SÃO LUIZ.
JOFFRE, SUA BATATA ESTÁ ASSANDO (II)

Joffre Neto responde por improbidade administrativa em São Luiz do Paraitinga. Multa pedida é superior a R 80 mil


No post anterior informei que o Catão da Vila São Geraldo está enroscado com a Vara da Fazenda Pública de Taubaté e a sentença de sua condenação poderá ser exarada em poucos dias.

Em São Luiz do Paraitinga, onde responde por improbidade administrativa, Joffre Neto pode pagar multa superior a R$ 80 mil e tornar-se inelegível pelos próximos 10 anos.

O processo 1000241-44.2015.8.26.0579, instaurado em 10 de junho do ano passado, está concluso faltando poucos detalhes para que seja sentenciado.

Na página 2041 do Diário Oficial de 30 de junho último está publicado o último despacho da juíza Ana Helena Cardoso Coutinho Cronemberger, sobre a situação processual do Catão da Vila São Geraldo,



Joffre Netto entrou com agravo de instrumento na Justiça de São Luiz do Paraitinga, que lhe foi negado. Já havia outro, impetrado pela ré, a Edilene Alves Pereira.

Para entender o que levou Joffre Neto a responder por improbidade administrativa na bucólica São Luiz do Paraitinga, acesse estes links:



Resumindo: assim como engabelou o vereador Carlos Peixoto (PMDB na época) e fraudou uma licitação para ser contratado ilegalmente pela Câmara Municipal de Taubaté, engabelou a neófita vereadora Edilene Alves Pereira (PT), eleita presidente da Câmara Municipal de São Luiz do Paraitinga em 2009.

Joffre Neto foi contratado por “notório saber” (quá quá quá quá...), sem licitação.

A CMSLP teve verba de R$ 60 mil para funcionar em 2009.

O Catão da Vila São Geraldo ficou com a bagatela de R$ 24.200,00, fora os R$ 4 mil que recebeu posteriormente para dar uma palestra quando a cidade estava debaixo d’água e não havia prédio público em funcionamento.

O valor da ação é de R$ 28.750,00.

Se o pedido de multa feito pelo Ministério Público à juíza Ana Helena Cardoso Coutinho Cronemberger , de aplicar multa de três vezes o valor do montante recebido indevidamente pelo Catão da Vila são Geraldo, o valor chegará a R$ 86.250,00.

Péssima notícia para o Catão da Vila São Geraldo, que está à porta do desemprego.