Páginas

segunda-feira, 4 de julho de 2016

JUSTIÇA CONVOCA GUARÁ FILHO
POR EDITAL. É FUGITIVO, PORTANTO

Processo do Bradesco contra Guará Filho é de 2014. Oficiais de Justiça não o encontram. Por isso a convocação por edital


Quando a justiça convoca alguém por edital para ser ouvido em determinado processo, só há um motivo: o réu não foi encontrado ou encontra-se em local incerto e desconhecido.

Queria Imaginar o tamanho da decepção que Guará Filho está provocando em seus possíveis futuros eleitores. Já perdeu a eleição sem sequer disputá-la.

A convocação de Guará Filho por edital é do juiz José Cláudio Abrahão Rosa. Da 1ª Vara Cível de Taubaté. foi feita no dia 24 de fevereiro último.

O processo 1004098-91.2014.8.26.0625 trata de alienação fiduciária solicitada pelo banco Bradesco diante da dívida de R$ 78.353,10 que a empresa MC Nogueira Vendas Online tem com a instituição financeira. O Bradesco pede a alienação de bens de propriedade de Guará Filho ou de sua mãe

Desde setembro de 2015 os oficiais de justiça procuram por Guará Filho. O “baile” de Guará Filho nos oficiais de justiça não tem dia nem hora. Leiam:

CERTIFICO eu, Oficial de Justiça, que em cumprimento ao mandado nº 625.2014/034233-2 dirigi-me ao endereço mencionado, juntamente com o Oficial de Justiça Fernando Chacon de Souza, em vários dias e horários distintos, inclusive no período da noite e nos finais de semana, e todas as tentativas de localização dos executados foram infrutíferas. Certifico que em todas as diligências realizadas, ora quem nos atendia era a funcionária da residência, ora era a esposa do requerido, Sra. Gabriela Mathias de Araújo, que sempre informavam, com respostas evasivas as nossas perguntas, que os executados não se encontravam em casa. Certifico, ainda, que no dia 16 de setembro p.p., às 20:00 horas, retornamos mais uma vez ao local e verificamos que havia carro na garagem e a residência estava toda iluminada, ou seja, percebemos que havia gente na casa, e, não fomos atendidos por ninguém. Assim, diante da suspeita de ocultação dos requeridos MARIA CELINA NOGUEIRA E AUGUSTO CÉSAR NOGUEIRA CORTEZ PEREIRA, deixei, por ora, de proceder à citação em execução dos mesmos, e, devolvo este r. mandado em cartório solicitando o endereço comercial dos executados e me colocando, desde já, à disposição deste Juízo aguardando posteriores determinações. Nada mais.