Páginas

terça-feira, 23 de agosto de 2016

CHICANA ATRASA JULGAMENTO
DE JOFFRE NETO EM SÃO LUIZ

Joffre Neto pode receber primeira condenação judicial por improbidade em são Luiz do Paraitinga

Os vereadores Joffre Neto (PSB-Taubaté) e Edilene Alves Pereira (PT-São Luiz do Paraitinga) estão com a corda no pescoço em processo movido pela Justiça por improbidade administrativa.

A juíza Ana Helena Cardoso Coutinho Cronemberger só não sentenciou o processo 1000241-44.2015.8.26.0579 por conta dos truques jurídicos empregados pelos réus, que procuram embaraçar a decisão judicial com pedidos que visam apenas atrasar o julgamento do processo.

No dia 1º de agosto, a juíza de São Luiz do Paraitinga despachou dando cinco dias úteis para que os réus Joffre Neto e Edilene Alves apresentassem “de maneira clara, objetiva e sucinta, as questões de fato e de direito que entendam pertinentes ao julgamento da lide”.

A magistrada, antes de prolatar a sentença, oferece aos réus a oportunidade de contestarem as provas colhidas nos autos, as questões de fato, ou seja, os fatos reais, como a contratação de Joffre Neto pela então presidente da Câmara Municipal de São Luiz do Paraitinga Edilene Alves,

Os réus poderiam contestar o pagamento de R$ 28.500,00 percebidos por Joffre Neto, mas a vereadora Edilene Alves preferiu pedir certidão de objeto e pé do processo, como se não soubsse o que está em julgamento.

No último dia 10 a certidão solicitada estava disponível “para ser impressa pela Rede lógica do Tribunal de Justiça”.

Depois disso, se não houver mais nenhuma chicana, o julgamento será finalizado.