Páginas

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

JOFFRE, A JUSTIÇA VAI
TE PEGAR EM SÃO LUIZ

Joffre Neto responde por improbidade em São Luiz do Paraitinga. Processo está concluso para ser sentenciado


O processo 1000241-44.2015.8.26.0579, que o vereador Joffre Neto responde em São Luiz do Paraitinga está concluso desde o último dia 22 de julho concluído para ser sentenciado pela juíza Ana Helena Cardoso Coutinho Cronemberger.

O Catão da Vila São Geraldo e a vereadora Edilene Alves Pereira são réus na bucólica cidade serrana por improbidade administrativa. Se condenados, poderão ser multados em até três vezes o valor da ação, que é de R$ 28.750,00, ou seja, a bagatela de R$ 86.250,00 cada um.

A professora Edilene Alves Pereira elegeu-se vereadora pela primeira vez em 2008, com 247 votos, pela coligação PT-PDT (3,12% dos votos válidos, segundo a Fundação Seade).

Eleita por seus pares para presidir a Câmara Municipal de São Luiz do Paraitinga, a inexperiente professora foi engabelada por Joffre Neto, que acabou contratado por notório saber para assessorá-la.

Nesta postagem, de abril de 2014, demonstrávamos que o Catão da Vila São Geraldo abocanhara 60% do orçamento da Câmara Municipal somente com os seus salários, em 2009.

O processo 1000241-44.2015.8.26.0579 foi instaurado somente o ano passado, seis anos após a contratação de Joffre Neto. No TJ, o agravo de instrumento impetrado pela vereadora Edilene Alves Pereira em fevereiro deste ano recebeu o número 2029504-61.2016.8.26.0000

O desembargador Ferreira Rodrigues, da 4ª Câmara de Direito Público do TJ, em despacho de 28 de junho último, mandou arquivar o agravo interposto.

“DESPACHO Agravo de Instrumento Processo nº 2029504-61.2016.8.26.0000 Relator(a): FERREIRA RODRIGUES Órgão Julgador: 4ª Câmara de Direito Público Vistos. Intime-se a agravante para que, nos termos do art. 932, parágrafo único, do Código de Processo Civil, proceda o recolhimento das custas, conforme certidão de fls. 1319, sob pena de não conhecimento do recurso. Int. São Paulo, 17 de junho de 2016. FERREIRA RODRIGUES Relator

A juíza Ana Helena Cardoso Coutinho Cronemberger, em despacho de 27 de junho determinou à sua serventia que juntasse ao processo cópia da decisão proferida sobre o agravo de instrumento no TJ. A determinação foi cumprida. No último dia 22 de julho a decisão do TJ foi juntada ao processo, que está concluso desde então para ser sentenciado.

Serás que vem condenação por aí?