Páginas

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

POLLYANA, OLHA AONDE VOCÊ SE METEU!

Pollyana, não precisa trazer verbas para Taubaté. Vote em favor do povo, contra a anistia para políticos corruptos. Vote em benefício dos os aposentados. Vote contra a "escola sem partido". Vote em mais verba para a a educação. Lembre-se da frase lapidar de Monteiro Lobato: "Um país se faz com homens e livros"

Pollyana, não pretendo criticá-la. Antes, quero chamar-lhe a atenção para o seu próprio bem e seu futuro político.

Você está começando nesta segunda-feira (28/11) sua segunda semana como deputada federal. Já pensou na sua responsabilidade?

Não espero de você verbas para esta ou aquela obra da Prefeitura. Sua função não é buscar dinheiro para prefeitos, embora dezenas de parlamentares faça deste expediente um meio de angariar aliados políticos.

O que interessa é saber como serão seus votos em questões polêmicas, como a alforria para políticos que fizeram “caixa 2” no passado.

Sua sorte é que o presidente golpista Michel Temer e o presidente do Senado, igualmente golpista, Renan Calheiros resolveram, neste domingo (27/11), que este assunto não será discutido na Câmara Federal, tamanha a pressão popular contra o projeto de anistia a políticos corruptos.

Quero lembrar-lhe que você se juntou a dois ou três mil taubateanos no dia 13 de março deste ano, em frente ao 5º BPMI, para pedir a derrubada de Dilma por corrupção.

Oito meses se passaram. Dilma foi, de fato, derrubada, mas não por corrupção, porque até agora ninguém provou qualquer ato ilícito que tenha sido praticado pela ex-presidenta.

Acesse este link para reler a carta aberta que lhe escrevi.

Você postou em sua página no Facebook um banner produzido por fascistas convidando a população taubateana para participar do ato anti-Dilma, talvez até acreditando que estava exercendo um ato patriótico.

O tempo provou que a razão me assistia. Você, como milhões de brasileiros, foi levada a acreditar que a corrupção foi inventada por Lula e prosseguiu no governo Dilma.

O atual governo é formado por uma malta de bandidos, a começar pelo golpista Michel Temer e seus principais asseclas; Geddel Vieira Lima, Eliseu Padilha, o senador Romero Jucá e Wellington Moreira Franco.

Pois é! A esta turma de ladrões juntou-se o deputado Roberto Freire, contra quem não pesa nenhuma acusação de corrupção, nomeado ministro da Cultura pelo presidente golpista corrupto.

A nomeação de Roberto Freire para o ministério de Teme antecipou sua chegada à Câmara dos Deputados, que deveria ocorrer somente em 1º de janeiro de 2017, com a renúncia de Bruno Covas (PSDB), eleito vice-prefeito da Capital paulista.

Deputada Pollyana, seu partido, o PPS, fundado e dirigido por Luiz Carlos Prestes, que teve em sua militância nomes como o escritor Jorge Amado e o arquiteto Oscar Niemayer, para ficarmos apenas nos dois, hoje é um partido de direita.

Desfigurou-se politicamente para atender os interesses pessoais de Roberto Freire, Raul Jungmann e outros menos importantes.

Espero que sua atuação na Câmara dos Deputados faça jus à origem comunista do PPS.

Não se contente em ser uma deputada do baixo clero, inexpressiva, daquelas que fazem apenas a vontade dos cardeais e líderes do partido.

Você começa na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados. É a sua praia. Faça valer seu peso parlamentar.

A grande oportunidade política de sua vida é fazer o Senado acelerar o processo de votação do PLS 265/2008, do ex-senador Osmar Dias (PDT), que nasceu de uma proposta sua de melhoria salarial dos professores.

Sua responsabilidade não é trazer obras ou verbas para Taubaté. Sua responsabilidade e fiscalizar o governo federal, lutar para exterminar a corrupção.

Sei que não é fácil tomar decisões isoladas, que vão de encontro à determinação partidária de apoio ao governo golpista de Temer, cujos esbirros estão caindo, um a um, por serem corruptos.

Seu partido apoiou o golpe e tem se beneficiado dele.

Nos casos mais difíceis, não se avexe. Passe a mão no telefone e ligue para dois de seus ex-assessores na Câmara Municipal de Taubaté. Eles saberão como orientá-la.

Você tem 17 meses para provar que o apoio ao golpe foi um senão político que não mais se repetirá.

Os taubateanos acompanharão pari passu seu desempenho na Câmara Federal.