Páginas

segunda-feira, 3 de abril de 2017

DESCASSADO DETONA ODILA E EXIGE DEVOLUÇÃO DA GRANA RECEBIDA

Descassado quer devolução da grana (quase R$ 70 mil) que Odila recebeu por uma licença premio duvidosa

O poder excessivo sobe á cabeça das pessoas sem espírito público e, por que não dizer, sem escrúpulo.

Odila Maria Sanches é uma dessas pessoas com poderes sobre seus auxiliares e seus próprios atos.

Diretora de Administração e Finanças da Pre3feitura, a namorada de ern\ardo Ortiz, o “Velho”, tem a caneta e o poder de decidir quem primeiro recebe a licença premio..

Com a caneta na mão e o poder discricionário que lhe cabe pelo cargo que ocupa na Prefeitura, Odila Maria Sanches concedeu-se a licença premio a que tem direito, furando na fila e deixando dezenas de funcionários com o mesmo direito, e que ganham bem menos, para traz.

Abaixo, a NOTA OFICIAL DA PREFEITURA

NOTA OFICIAL – PAGAMENTO DE LICENÇAS PRÊMIO

O prefeito Ortiz Junior esclarece que o pagamento de licenças-prêmio aos servidores da Prefeitura de Taubaté é de competência e responsabilidade exclusivas da Secretaria de Administração e Finanças. O prefeito desconhecia a concessão do referido benefício à secretária de Administração e Finanças.

Após a divulgação do pagamento da licença-prêmio fora da ordem cronológica estabelecida, o prefeito Ortiz Junior determinou a devolução dos valores aos cofres públicos. A secretária tem direito ao benefício e vai recebê-lo devidamente, conforme a ordem de solicitação, por meio de processo administrativo.

Para dar ampla transparência aos pagamentos, a partir desta data a listagem (contendo número do processo e o ano) está disponível no Site Oficial do município (http://www.taubate.sp.gov.br/secretarias/licencapremio/). Os pagamentos serão realizados respeitando rigorosamente a ordem estabelecida.

A atual administração é responsável pelo pagamento de R$ 12.226.223,20 de licenças-prêmios desde 2013, beneficiando 1.142 servidores. Gestões anteriores deixaram de efetivar os pagamentos desde 2002.

A Prefeitura de Taubaté entende que a licença-prêmio é um direito adquirido pelo servidor e vai continuar a efetuar os pagamentos, conforme têm sido feitos desde 2013, de acordo com a disponibilidade orçamentária e dentro dos limites estabelecidos pela Lei de Responsabilidade Fiscal.